Por que soltamos pum?

Olha aí a resposta segundo Milton Costa do Departamento de Anatomia da Universidade Federal do Rio de Janeiro, que achei no “Ciência Hoje das Crianças”:

O pum nada mais é que a saída de gases produzidos e acumulados no tubo digestivo, processo chamado flatulência. Durante a digestão, o alimento passa pela boca, faringe, esôfago, estômago e intestino. Ele é quebrado em unidades menores para ser absorvido pelo organismo. Os restos dos alimentos são atacados por bactérias no intestino grosso. A ação desses microorganismos forma gases como o metano, o gás carbônico e o hidrogênio que se acumulam, principalmente, na parte final do intestino grosso. Também gera compostos como o sulfeto de hidrogênio, mercaptanos e indol. Os gases e os compostos são os responsáveis pelo mau cheiro do pum!

Há alimentos que produzem mais gases do que outros. Repolho, couve-flor, cebola e feijão produzem resíduos que não são digeridos pelo nosso organismo e mais gases do que outros alimentos. O feijão, por exemplo, tem um carboidrato que não é transformado pela digestão. Ao ser atacado por bactérias, esse resíduo produzirá mais gases do que outros alimentos com pouco ou nenhum carboidrato desse tipo.

Os gases e as fezes são resíduos da digestão e ficam armazenados na parte final do intestino, que funciona como um reservatório e é chamada ampola retal. A saída dos resíduos é controlada pelo ânus ou esfíncter anal, um anel muscular que se encontra na porção final do intestino e possui duas partes. Uma funciona de forma involuntária, ou seja, abre independentemente da nossa vontade. A outra, podemos controlar. Quando a ampola retal está muito cheia, o cérebro é avisado e ordena que o esfíncter se abra. Saiba que o som do pum é produzido porque os gases saem semi-apertados pela contração parcial do esfíncter.

Entendeu? Alimentos + bactérias do nosso intestino = gases! hehe =D

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.